quarta-feira, agosto 29, 2012

SOBREMESA RÁPIDA [OU PINHA DOURADA]



Um dia estava eu descansada a ler um livro quando a minha filha diz:-Mãe liga a televisão na SIC para veres, no programa Boa Tarde vai lá uma atriz cozinhar. Ok, liguei, só para ver o que a filha dizia, pois sinceramente estes programas da manhã ou tarde nunca vejo, pois são programas que eu acho deprimentes, gostam de explorar o ser humano, é só desgraças, nunca me identifiquei com os mesmos. Quando os meus saudosos pais eram vivos, e estavam em minha casa ou eu ia a casa deles, estavam sempre a ver, e claro que eu tinha que passar os olhos e ouvir mesmo não gostando. Daí quando recebi o convite para ir à SIC ao programa da Júlia Pinheiro eu não ter aceite. Mas esta história toda porquê? Então a atriz cozinhou uma espécie de migas, que para mim não tinha ciência nenhuma, e tinha uma sobremesa para fazer, mas o tempo já não deu para fazer a mesma, mas explicou, e nessa altura, fez-se luz, relembrei uma época quando eu era criança.

Quando eu era criança os meus pais recebiam muitos amigos em casa, na da Amadora ou na das Covas de Ferro. A minha mãe cozinhava para muita gente sempre com gosto, pois gostava muito. Sempre foi uma cozinheira de mão cheia. Mas doceira nunca foi dos "dreams" dela. Lembro-me da minha mãe fazer bolos, e de eu rapar a tigela com a minha irmã. Como ela era mais nova, eu passava-lhe à frente, pois ela rapava com uma colher de chá e eu já estava munida com uma de sopa, claro, depois ouvia ela a regatear, Belinha comeste mais...(sorrisos) já a minha avó dizia: "com papas e bolos se enganam os tolos".

Mas nunca me lembro da minha mãe fazer algum bolo que me ficasse na memória. O arroz doce da minha mãe, sim, era divino, o meu provador oficial (filho) quando eu fazia, ou faço dizia/diz, está delicioso mãe, mas o da avó é/era melhor. A avó faz/fazia melhor o arroz doce e tu o leite-creme. Mas recordo-me de umas argolinhas de canela que a minha mãe fazia, quando eu era criança, que eram uma delicia. Quando ela dizia que ia fazer eu puxava logo do banco para ajudar. Era pequena, aliás sempre me lembro de estar em cima do banco quando a minha mãe estava na cozinha. Essas argolinhas, levava farinha, açúcar manteiga, ovos e canela, depois de fazer as argolinhas, fritava as mesmas e passava por açúcar com canela. A casa ficava com cheiro a Natal como os meus filhos dizem. Agora as medidas nunca soube, pois a minha mãe sempre fez tudo a olho. Por isso não gostava de fazer doçaria, pois a mesma é preciso ter mais cuidado na precisão das medidas e a minha mãe não tinha paciência para tal. Também com 3 filhos com diferencias de idade de ano e meio era obra.



Talvez daí a minha sempre curiosidade de fazer doces, e não só, pois sempre estava na cozinha ajudar a minha mãe. Com 9 anos fiz os meus primeiros bolinhos de coco. Depois pedia à minha mãe se deixava que eu fizesse um bolo, por vezes ela dizia:- Não Belinha vais estragar ingredientes...ok,  quando o pessoal ia todo dormir, eu também fazia de conta que ia, deixava passar um bocado e levantava-me, e lá ia Isabelita para a cozinha, fechava a porta da mesma e fazia o bolo que a minha mãe não me tinha deixado fazer, mas a bater as claras à mão para não fazer barulho, com a batedeira. Não posso dizer que as claras ficavam bem batidas, pois eu tinha 9 ou 10 anos, mas o bolo ficava bom. Depois colocava no forno e ficava ao pé do mesmo há espera que cozesse, com o palito sempre na mão. Abria sei lá quantas vezes o forno, pois não tinha vidro naquela altura. Quando cozido retirava e colocava o bolo num prato, depois já me ia deitar consolada, tinha feito um bolo.

No outro dia quando a minha mãe acordava ria-se e dizia: Belinha, és tramada. É verdade, a minha mãe tinha razão! Quando digo que uma das minhas paixões é cozinhar é verdade, já vem desde tenra idade, quando a minha mãe ia com o meu pai para fora, eu ficava a tomar conta da casa (comida). A minha avó paterna morava connosco, mas não gostava de cozinhar, e como trabalhava no Palácio Foz, refilava logo com a minha mãe: pois, eu é que tenho que ter o trabalho agora. Eu como nunca gostei de discussões, dizia logo à minha mãe: mãe eu faço pode ir descansada. E tinha uns 11 ou 12 anos. A minha mãe deixava o frigorífico cheio e deixava dinheiro para o pão ou para o que fosse preciso comprar. Eu ficava noutra dimensão, fazia o comer antes de ir para a escola, e sempre me "desenrasquei". O meu irmão gostava muito quando eu fazia o comer, pois eu ia sempre procurar receitas no meu caderninho, e ele gostava muito das receitas que eu fazia. Dizia logo à minha mãe a Belinha fez umas receitas muito boas.

Agora os meus seguidores/as estão a pensar, mas esta história toda para quê? Então é assim, voltando atrás, quando os meus pais recebiam as visitas que por vezes eram 12 ou 15 pessoas a minha mãe fazia o comer, mas as sobremesas o meu pai ia ao Colóquiouma pastelaria que era no nosso prédio comprar. Mas isso para mim não era novidade nenhuma pois eu tinha isso diariamente, bastava descer as escadas e comprar. Mas quando vinha um casal que moravam em Vila Franca de Xira a senhora que não me lembro já do nome trazia sempre uma sobremesa que eu adorava. Ao estar a ver o programa a atriz explicou a receita da sobremesa que me fez voltar no tempo da minha infância, e fui direitinha logo para o meu laboratório (cozinha). Vamos lá à receita fácil e simplesmente deliciosa.



Ingredientes:
-6 ovos
-açúcar

Bater as claras em castelo e juntar açúcar até fazer um merengue. Já sabem a textura do merengue é, voltarem a tigela e não deitar nada, ok, fica firme mesmo. Colocar num tabuleiro ao gosto e com um garfo fazer uns picos estilo "Evereste" (sorrisos) levar ao forno pré-aquecido a 140ºC, até dourar por cima. Entretanto enquanto o suspiro esteve no forno fazer um doce de ovos com as seis gemas, seis colheres de (sopa) de açúcar e 4 colheres de (sopa) de água. Levar ao lume sempre em lume brando até fazer ponto de estrada. Depois é deitar por cima do merengue. Quando frio leva ao frigorífico, é uma sobremesa para se comer fresca. Pode-se servir com morangos ou amêndoas laminada e levemente torradas. Eu servi simples pois era assim que eu tinha na minha memória. Simplesmente brutalíssimo utilizando o termo do meu filho, que não provou mas era o que diria.


"O que mais me impressiona nos fracos é que eles precisam humilhar os outros, para sentirem-se fortes."

[Mahatma Gandhi]