sexta-feira, outubro 19, 2012

SHORTBREAD ESCOCÊS




Esta receita é da minha amiga Manuela. Além da nossa grande amizade, temos em comum, a grande paixão pelos nossos filhos e cozinhar. Então estávamos a conversar e claro, a falar dos mesmos e de receitas que eles gostam. Quando a minha amiga fala destas bolachas, eu disse logo:-Quero a receita para fazer e surpreender o meu filho. Pois não é só a mãe a ter saudades, acredito que ele também têm.   Resolvi mandar um miminho, ao fazer estas bolachinhas acrescentei a tal pitada de muito amor, que só uma mãe sabe. Coloquei as bolachinhas em duas caixas de bolachas. Enviei numa encomenda bem acondicionada. Não disse nada e enviei 8 dúzias de bolachas. O que deu 2 Kg das mesmas. Claro, que nas fotos não estão as bolachas todas. Só gostava de ver a cara do filho, ok, ouvi logo a voz dele quando recebeu a encomenda e provou as bolachas:-Mãe, só tu, estão brutalissímas, obrigada! obrigada eu, por me teres escolhido e deixado ser tua mãe! Amo-te.



Ingredientes:
-2 chávenas de manteiga à temperatura ambiente
-1 1/4 chávena de açúcar em pó
-4 chávenas de farinha
Aquecer o forno a 150ºC.
Amassar a manteiga até ficar fofa. Adicionar o açúcar e bater. Aos poucos adicionar a farinha até estar encorpada. Numa superfície enfarinhada, formar uma bola e amassar com cuidado até a massa ficar macia. Embrulhar a massa em película e colocar no frigorífico durante uma hora. Retirar do frigorífico e numa superfície enfarinhada, dividir a bola em 3 a 4 partes. Com o rolo da massa estender até ter 1 centímetro de altura (não estender a massa muito fina)). Cortar com o corta bolachas (ou um copo). Colocar num tabuleiro e cozer aproximadamente 10 a 20 minutos. Ter muita atenção quantos mais finos fizer mais rápido é a cozedura. O melhor é corta-las mais grossas, têm melhor textura.

Estou no Facebook aqui!

"Não há amor mais disponível, entregue, cuidadoso e abnegado, que amor de mãe. A gente está lá, sempre, ao lado ou atrás da porta vigiando os passos. E nosso maior desejo é que nossos filhos dêem certo; amem e sejam amados; cresçam bem, saudáveis e sejam pessoas de bem. É por esse desejo que trabalhamos até o último suspiro de vida. Uma vida que deixa de ser nossa e passa a ser deles, assim que eles desocupam o nosso útero e passam a ocupar os nossos braços."


[Erica Gaião]