sexta-feira, Fevereiro 08, 2013

TATUAGEM


A minha tatuagem. Não, não é porque é moda, e sim, porque desde há uns 15 anos que eu queria fazer. O problema? É que eu sabia o que queria, mas quando entrei nas duas lojas de TATOO para o fazer uma em Lisboa talvez há uns 10 anos e a outra foi no Forum Almada,  uma loja que abriu lá, mas já fechou. Entregavam-me um dossier com imagens de tatuagens para escolher. Ok, sou diferente, a tatuagem para mim tem um significado diferente, tinha que ser algo personalizado, saí das lojas e nunca fiz. O tempo foi passando mas a ideia nunca.

Eu sempre disse: queria uma tatuagem que representasse o meu AMOR pelos meus filhos. Queria algo que ficasse gravado na minha pele, pois no coração está gravado desde a mínima suspeita de saber que estava grávida. Ao longo do tempo quando falava com família ou amigos (as), a resposta era sempre a mesma, ah, não gosto, não faças, é horrível, ah, não e não. Mas, o problema ou não, é que eu sempre fui, sou e serei uma mulher que nunca ligou à opinião dos outros, a minha é que prevalece, mesmo que me espalhe, mas levanto-me com muito mais força e sabedoria. O meu filho, há uns anos também me falou em fazer uma tatuagem, eu como em tudo na vida apoio as decisões dos filhos sejam do meu agrado ou não. A vida é deles, mas o meu apoio incondicional pela vida toda terão sempre. Falamos sobre a mesma, mas fiz-lhe ver que a tatuagem é para a vida (sou contra aquelas "pessoinhas" que fazem as tatuagens que estão na moda, ou o nome dos namorados (as), depois a moda passa ou o amor, pois isso não é eterno, e retiram as mesmas com laser), então a conversar com o filho fiz-lhe ver. A opinião do filho era a mesma que a minha, ele foi deixando passar o tempo, em Abril de 2012, resolveu ele próprio desenhar a sua tatuagem, que ele sabe bem o seu significado, e foi fazer a mesma. Estive um pouco com ele, sim a dele levou muito tempo, para dar o meu apoio, pois não podia fazer mais nada, as dores se pudesse tirava, mas isso infelizmente não consigo. Mas, nesse dia, disse ao meu filho: tens que desenhar a tatuagem, para a mãe fazer. A tatuagem da minha vida (filhos). Ok, ficou por ali, esperei, mas o tempo foi passando, entretanto o filho foi para fora, e a tatuagem ficou na lembrança. Mas, o meu filho é como eu, pode parecer que esquece, mas não. Este Natal, apesar das saudades que continuo a sentir dos meus pais, tive uma felicidade pois fui buscar o meu filho no dia 24 ao Aeroporto, ao fim de uns meses de ausência. A felicidade era mais que muita, estava cheia de "borboletas no estômago", a felicidade que senti, só a posso comparar ao dia do nascimento dele, abracei cheirei, beijei, e sei lá mais o quê. Tinha os meus filhos comigo, isso sim é importante. Mas esta conversa toda para quê? Pois, uma das prendas que os filhos me ofereceram nesta Natal foi mesmo o desenho e tatuagem. O desenho vinha dentro duma caixa, eu ao ver o mesmo, olhei, e vi o V e o M, e ainda vi no mesmo desenho um coração. Pensei, na tatuagem, mas não queria querer, mas eles disseram logo:-Mãe vais fazer a tua tatuagem, que feliz fiquei, pois era mesmo o que eu queria (V de Viviana e o M de Mauro, além que vendo o desenho de outro ângulo tem um coração, o meu AMOR pelos meus filhos. Quando lerem esta mensagem e virem a foto, vão dizer (pensar) a Isabel  "surtou", não, o problema é que sempre fui e serei "surtada" se fazer o que me dá prazer é ser (surtada) assumo: sou, mas com muita honra! Não é a idade, que faz com que eu fique com juízo (sorrisos), a mesma dá-me, é a certeza de não deixar para amanhã o que gosto e me dá prazer: fazer HOJE, para mal de muito pessoal mas eu sou assim e serei sempre assim, pois estou na caminhada da vida, para ser feliz, mas como felicidade completa não existe, tento aproveitar os "momentos" da vida. Só me importo é com a opinião dos meus filhos, a opinião dos outros sejam família ou amigos (as) é «lane caprine» para mim, os desconhecidos esses nem classifico. Como podem ver com esta atitude (presente) dos filhos, tive a aprovação deles. AMO-VOS meus filhos, obrigada por serem como são, pois são o meu orgulho!

Notas: aqui eu disse: que ia fazer uma coisa que depois postava, ora bem, aqui está! Agora sobre a tatuagem. Fui fazer ao amigo do meu filho, que já tinha feito a sua, o Mário Neves que tem a sua loja aqui!

Então é assim: penso que doeu muito mais aos meus filhos que a mim. A minha filha não quis acompanhar-me, o filho sim. Quando o Mário começou o seu excelente trabalho, o filho agarrou nas minhas mãos para dar-me força, ou "quiçá" para tirar-me as dores...(sorrisos). O tempo foi vapt-vupt (rápido) estive sempre na conversa, pois é uma coisa que adoro, quem me conhece, sabe perfeitamente, quando acabou, eu só disse: já!?!? Sempre quis fazer a tatuagem como escrevi mais atrás, mas era só esta. Mas se tivesse a ideia de fazer mais alguma faria, pois as dores que senti não me demoveriam de fazer outra.

P.S. Na terça-feira fez oito dias que a fiz. O local que escolhi desde que pensei fazer a tatuagem, foi no pescoço, como tenho o cabelo comprido, não se vê, mas quando faço rabo- de-cavalo, claro que se vê, mas era mesmo este sentido que eu queria, só se vê quando eu quero...