quarta-feira, junho 08, 2016

SOPA DE AGRIÃO




Sopa, nunca falta cá em casa. Esta, apesar estar em rascunho há mais de 4 meses, tinha que sair e ver a luz do blog. :)  Apesar de ter começado o meu adorado calor, continuo a ter sempre sopa. Gostamos de sopa (quer dizer, aprendi a gostar, pois quando era criança, só gostava de caldo verde, sopa de feijão verde, e de estar doente para a minha saudosa mãe fazer-me canja). :) Hoje gosto de quase todas as sopas, canja, por vezes faço para mim, a filha não toca, o filho no Natal até come. Para mim, uma sopa à noite e mais qualquer coisa (quando não é só a sopa) chega-me. Primeiro, nunca gostei muito de encher o estômago à noite, e não é só agora que tenho 57 anos, sempre fui assim, pelo menos desde os meus 12 anos quando tive o principio de uma paragem de digestão à noite. A partir daí (nessa idade. era porque tinha medo de sentir de novo a mesma sensação) depois com o caminhar da idade, fui adquirido os hábitos daquele provérbio que sempre ouvi a minha avó dizer: "Pequeno-almoço de Rei, almoço de Príncipe e  jantar de pobre" e com o caminhar na estrada da vida, aprendi cada vez mais a perceber e dar razão aos ditos. Gosto. Vamos ver como fiz esta sopa.







































Ingredientes:
-batata doce
-cebola
-courgete
-abóbora
-1 alho francês
-3 dentes de alho
-1 molho de agrião
-sal marinho
-azeite

Coloco os legumes (excepto o agrião) descascados e devidamente lavados numa panela, cubro com água e tempero com o sal marinho. Levo ao lume a cozer, quando os legumes estão cozidos, com a ajuda da varinha-mágica trituro até ficar em puré. Levo de novo a panela ao lume quando levanta fervura junto o agrião (folhas e talos, corto só mesmo as pontas, bem lavado como convém) e envolvo e deixo até levantar fervura de novo, deixo ferver 2 a 3 minutos, nessa altura desligo o fogão e rego com um fio de azeite.
As quantidades, cada um sabe das suas necessidades.

"Não faças da tua vida um rascunho.
Poderás não ter tempo de passá-la a limpo."

(Mario Quintana)