quarta-feira, agosto 31, 2016

SALADA DE FEIJÃO FRADE





Feijão frade adoro, quando faço lembro-me sempre do meu saudoso pai, adorávamos os dois feijão frade, a minha saudosa mãe não gostava, mas quando eu ia à Amadora e na véspera dizia: mãe, amanhã podia fazer feijão frade, apetece-me, era certo que quando chegava no outro dia o almoço, era salada do dito, com atum ou bacalhau, pois o meu pai gostava. Tenho saudades de uma salada que a minha mãe fazia de feijão frade com bacalhau cru muito desfiado (ela conseguia-o com a ajuda de um pano de cozinha) "estilo esfregar o bacalhau demolhado já sem espinhas e peles" ficava mesmo em fios, que delicia. Depois o tempero da minha saudosa mãe era de outra dimensão, agora só tenho os sabores da memória que estão guardados a sete chaves.❥❥ Vamos ver como fiz esta deliciosa salada tão simples, mas não por isso mereça destaque no blog. Hoje em dia há imensas marcas de atum, mas atum Bom Petisco, [uma Marca de Excelência, distinguida com o selo Superbrands]  é o que me lembro desde ser gente ver a minha saudosa mãe usar, e com isso já tenho 57 anos, pronto, seja sincera, talvez só me lembre a partir aí dos 4 ou 5 anos, para trás não tenho memória, mas acredito que já era usado na casa dos meus saudosos pais.



Ingredientes:
-1 lata grande de feijão frade
-300 g de ervilhas congeladas
-2 embalagens de ovos de codorniz
-3 latas de atum Bom Petisco em azeite [uma Marca de Excelência, distinguida com o selo Superbrands]
-1 molho de salsa e coentros
-azeite extra virgem
-vinagre de cidra
-flor-de-sal
-pimenta-preta moída na hora

Numa tigela coloquei o feijão coado e passado por água fria, as ervilhas cozidas e arrefecidas, os ovos, o atum , a salsa e coentros picados grosseiramente, temperei com flor-de-sal pimenta-preta e reguei com azeite e vinagre, envolvi muito bem de deixei reservado no frigorífico tapada com película aderente até à hora de servir. Harmonizar sabores, precisa-se nesta salada. pelo menos para mim, mas pode servir de seguida de estar pronta.

Estou no Instagram aqui!



Pestana
Bimby
LG
Ambar
Cartuxa
Vista Alegre
Branca de Neve
Continente
LIDL
Terra Nostra
Sport Zone
O Prego da Peixaria
Bom Petisco
CTT
EDP
Recer
Revigrés
Médis
Remax
BPI
Millennium BCP
Montepio
American Express
Multibanco
Diário de Noticias
Jornal de Noticias
Público
RFM
RTP
TSF
Renascença
OPEL
Mercedes
Sapo
Sport Lisboa e Benfica
Sporting Clube de Portugal

terça-feira, agosto 30, 2016

DOCE DE FIGOS





Adoro fruta, toda a fruta mas no Verão a fruta de época é mais variada. Como A-M-O o Verão então "estou nas sete quintas": (Significado: Estar contente, sentir-se satisfeito e realizado.):))))
Origem: Diz uma lenda antiga que os Reis portugueses possuíam, no concelho do Seixal, sete quintas, onde o rei e a comitiva passavam vários fins de semana. Quando estavam por lá, sentiam-se maravilhados. É como eu me sinto no Verão: Maravilhada. :)



Chegou uns figos pingo de mel cá a casa, eram de dois tamanhos, uns mais pequenos e outros maiores. A quantidade era grande, estragar, não está na minha maneira de ser e passar na vida. Resolvi utilizar os figos mais pequenos para fazer o doce, o seu sabor era mel. Vamos ver como fiz.


Ingredientes:
-1kg de figos
-300 g de açúcar amarelo
-50 ml de água
-2 paus de canela
-2 estrelas de anis

Lavei os figos e cortei-os em quartos. Coloquei os figos e resto dos ingredientes num tacho. Levei a lume brando até cozer os figos e harmonizar sabores, retirei os paus de canela e as estrelas de anis, com a ajuda da varinha-mágica desfiz os figos. Levei de novo o tacho ao lume até fazer ponto de estrada, o que foi rápido. Deitei o doce nos frascos esterilizados.


Nota: Os figos eram tão doces que para a quantidade de figos chegou perfeitamente a quantidade de açúcar que utilizei.

Encontram-me aqui no Instagram

"A gente pode morar numa casa mais ou menos, numa rua mais ou menos, numa cidade mais ou menos, e até ter um governo mais ou menos.
A gente pode dormir numa cama mais ou menos, comer um feijão mais ou menos, ter um transporte mais ou menos, e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.
A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos...

Tudo bem!

O que a gente não pode mesmo, nunca, de jeito nenhum...
é amar mais ou menos, sonhar mais ou menos, ser amigo mais ou menos, namorar mais ou menos, ter fé mais ou menos, e acreditar mais ou menos.
Senão a gente corre o risco de se tornar uma pessoa mais ou menos."


(Chico Xavier)

segunda-feira, agosto 29, 2016

AS MINHAS UNHAS ;)



As fotos? Não se assustem, é só para falar das minhas unhas. Estas fotos coloquei no meu instagram, na primeira foto, foi em Julho, num dia que fui a Fátima, nesse mesmo dia recebi dois emails de duas senhoras, jovens não sei, escreveram que adoravam as minhas unhas, tinham pena de não me conhecer, mas gostaram de conhecer as minhas unhas :))) pelo que viram, eu era uma mulher de bom gosto, não só o que transmitia no blog, mas também pelo mínimo que viram: unhas. As pessoas em questão pensaram que o verniz era preto (também uso) mas neste caso o verniz era um verde tropa bem escuro, só se percebe, o verde em certos movimentos das mãos e luz a incidir sobre elas (unhas). Estou a agarrar uma mão cheia de velas para acender, mas não é promessa, nunca prometi na minha vida (promessa para mim é um negócio, eu dou se tu (ELE) me der, e como eu acho e sinto, que a minha religião (DEUS) não é nenhum negocio, penso que tenho o que mereço, seja bom ou menos bom, nunca o questionei se mereço ou não, "Ele" sabe o que mereço. Adoro, e vou a Fátima, gosto de chegar cedo, rezar a DEUS, receber a energia e sair do Santuário antes das missas com padres. Peço imensa desculpas, se melindro alguém, mas sou assim, sou católica (praticante de visitar igrejas, capelas vazias, fazer as minhas orações sozinha, sem padres).  Missas? Só mesmo as de obrigação (casamentos e baptizados). Há 40 anos casei na capela do Palácio de Queluz, os meus filhos foram baptizados na Igreja da Amadora, eu faço tudo como manda a tradição (mas Ele sabe qual é a minha maneira de sentir). Mandei rezar a missa do 7º dia pelos meus pais (estive presente) mas os meus pais sabiam/sabem como eu era/sou. Grande escrita (história) só para falar das unhas, mas como a minha avó dizia: as conversas são como as cerejas. :)


Agora esta foto que também coloquei no Instagram, achei graça, que uma seguidora, mandou-me uma mensagem na página do facebook do Cozinhar com os Anjos, a dizer o mesmo que as anteriores, adora as minhas unhas, que tinha umas unhas muito bonitas, e perguntava se eram de gel, não, não são de gel, não gosto do "falso", as unhas são minhas. A cor é branco cal, outra cor que adoro, sou uma mulher, que não vou por modas, uso só o que gosto. Verniz branco leite comecei a usar no ano de 1989, só a Chanel é que tinha então eu ia à saudosa Loja das Meias no Rossio comprar. Todo o pessoal perguntava (até a manicura da altura) onde tinha descoberto a cor (descobri numa HOLA que adorava ler). Na altura branco era só aquele com brilho platinado. Nunca gostei.Usei o branco leite durante mais de 20 anos, depois alterei com a cor nude (sempre sem platinados). Hoje as minhas cores continuam, branco leite, branco cal (mas, nem todos), preto, verde tropa, e nude, e não passo disso. Nunca utilizei vermelhos (detesto) cores da moda, (coloridos e afins) detesto mesmo. :) Sou mesmo uma mulher muito chatinha. Mas reparei que posterior a estas fotos, alguém que só tinha fotos com unhas vermelhas, mudou para o preto (pensando que as minhas eram preto) e branco cal. Gostei! :) Sou daquelas mulheres que não tenho nenhum problema de dizer onde compro as coisa que gostam de me ver. como eu digo:se gostam é bom sinal, é sinal que sou uma mulher com bom gosto, então informo logo tudinho. :) Não sou eu que pinto ou arranjo as minhas unhas, nunca tive jeito para isso, mas os vernizes são meus, sou eu que compro e quando vou arranjar as unhas levo a malinha dos ditos e peço a cor conforme o meu estado de espírito no dia..

Arranjo as unhas no Aquafitness Marisol na Aquaspa na minha linda Lea. Um doce de menina.

Notas: Estou no Instagram aqui. Achei engraçado, terem a atenção de mandar email e mensagem, para me elogiar, fiquei foi confusa de não comentarem na página. Eu, posso parecer, mas fiquem descansadas que não mordo. :)))) Sintam-se abraçadas por mim, e como disse: Se precisarem de algo, que eu saiba ou possa ajudar estou aqui. ❥ ❥ ❥


É mais sensual uma mulher vestida do que uma mulher despida. A sensualidade é o intervalo entre a luva e o começo da manga.

(António Lobo Antunes)

sexta-feira, agosto 26, 2016

PUDIM MALUCO [APROVEITAMENTO DE CLARAS]






Um pudim, que fica no patamar de aproveitamento de claras.:) Que na minha casa abundam sempre no congelador, quando sobram de alguma receita, congelo. Quando preciso é só retirar e deixar descongelar, ficam perfeitas. Pavlova só faço com claras que foram previamente congeladas, pode ser sugestão minha, mas o merengue sai sempre perfeito. O pudim Molotof? Para aproveitamentos de claras, não muito obrigada, é um pudim que desde muito jovem (ainda não tinha filhos) ou seja há mais de 40 anos nunca me convenceu, e os filhos igualmente. Daí nunca o verem no Cozinhar com os Anjos, e peço imensas desculpas às pessoas que mandam emails a pedirem a "minha" receita do dito, eu respondo mas nunca dei nenhuma receita, pois não faço, não fiz, não vou copiar dos livros e enviar, para isso vão ao Google, certo? Mais uma vez peço desculpa, mas sou assim. Este pudim saiu da minha Bíblia Pantagruel. Brutal! :)))


Ingredientes:
-400 g de açúcar
-125 g de coco
-125 g de manteiga
-125 g de maisena
-2 gemas de ovos
-12 claras
-2 c. de chá de fermento em pó
-2 gotas de essência de baunilha

Amolece-se a manteiga em banho-maria e bate-se primeiro com 250 g de açúcar, depois com as gemas, a essência, o coco e a maisena peneirada com o fermento. Envolvo-se levemente nas claras em castelo firme, sem bater, e coze-se em forno pré-aquecido a 180ºC, em forma bem untada e polvilhada de pão ralado. Com o restante açúcar e água, faz-se uma calda em ponto fraco. Desenforma-se o pudim para um prato de serviço e rega-se lentamente com a calda a ferver. Serve-se frio.

"O importante não é o que as pessoas acham de mim, e sim o que Deus sabe a meu respeito."


(Padre Fábio de Melo)

PAEZ


Hoje não é uma receita e sim uma situação com uma marca: Paez. Este ano a marca, lançou um novo (piso/sola) de corda com a sola de borracha, que no primeiro dia que calçaram tanto a filha como o filho (os modelos que escolheram este ano tinha sido com essa sola) vinham a descolar, e com aspecto já  muito maltratado. O que nunca aconteceu com as Paez dos anos anteriores, principalmente a filha, tem Paez com o piso "quase" perfeito, achei estranho. Mas como guardo sempre as facturas (depois de fotocopiar, ah pois, se não a tinta desaparece do talão):))) seja de electrodomésticos, relógios, roupa, calçado, malas etc, desde que seja de marcas o caso, pois como eu sempre disse e ensinei os filhos, mais vale ter menos mas de qualidade do que muito e de má qualidade, daí eu dizer:" Os meus gostos são simples, prefiro o melhor de tudo" (Oscar Wilde) fui buscar as facturas e no dia seguinte dirige-me à loja e contei o sucedido e mostrei as mesmas. A empregada, foi logo ter com a gerente que deu autorização para trocar. As do filho, não troquei devolveram-me o dinheiro (€39,50) em questão o numero dele só tinham com a mesma sola, com a outra sola (estilo borracha) já ele tinha o padrão. Da filha, troquei por outras da mesma cor mas com a sola também (estilo borracha). A gerente veio ter comigo para pedir desculpas, onde disse que este ano este modelo de sola deu problema, e que a Paez, deu autorização de troca ou devolver dinheiro (o caso do filho, não havendo o que queria), achei bem, eles terem essa atitude, mas também disse à gerente, o porquê? A Paez, não retirar a mercadoria do mercado (as alpercatas com essa sola)? Ela disse que não sabia, mas eu disse que assim sempre podem vender mais uns pares, mas é má política. o pessoal  não sabe que podem devolver ou trocar, e ficam logo insatisfeitos com a marca, não voltam a comprar, não é o nosso caso, pois estávamos satisfeitos em anos anteriores, e este ano apesar deste percalço resolvido na hora, continuaremos clientes.

Ao passar esta informação pode ser que alguém desse lado, tenha acontecido o mesmo e tenham o talão de compra, mesmo sem talão, se pagaram com cartão, a loja pode facultar a 2º via (se não se lembrarem da data certa, façam uma visita no extracto bancário) e possam trocar ou pedir o valor de volta. Espero ter ajudado.

Nota: Quando oiço o pessoal a dizer que as alpercatas são caras, que compram no chines mais barato e faz o mesmo efeito. Santa ignorância. Ao estarmos a pagar uma marca estamos a pagar a qualidade (apesar de serem de pano a sola interior é de cabedal, o que deixa os pés respirarem, o que não acontece com os outros que são sintéticos. Eu nunca na minha vida consegui, ter um par de sapatos, sandálias, botas que não seja em calfe/pele/cabedal, o mesmo se passa com as malas, cintos, casacos, blusões ou o que seja. Arrepio-me só de olhar, quanto mais utilizar. Mas sei que há pessoal que compra, prefere a quantidade à QUALIDADE, eu então "topo" à légua o sintético,os filhos dizem que tenho faro. :)))) O meu "faro" foi ter crescido dentro das fabricas de calçado com o meu saudoso pai, e aos 14 anos ter a minha sapataria em Campo de Ourique, como muito já falei por aqui.(Rua: Almeida e Sousa, nº45 de nome HELLA). Daí a minha paixão ser genuína (amar sapatos) e não porque agora é moda, toda a gente adora sapatos. ;) O mesmo passei aos filhos, mais vale pouco de qualidade, do que muita quantidade e ser má a qualidade. Posso ver uma mulher ou homem muito bem vestidos, mas o primeiro que olho é os pés, se é sintético, já morreu na praia para mim, estragou logo a toilette. :) Claro, que é só a minha opinião que vale o que vale, cada um faz o que quer.

"A personalidade assemelha-se a um perfume de qualidade: quem o usa é o único que o não sente."

(Gilbert Cesbron)

quinta-feira, agosto 25, 2016

CROQUE MONSIEUR





Como falei aqui  o croque monsieur ,a receita que o meu tio me ensinou, se é a verdadeira nem estou aí, é a do meu tio e para mim é a válida. Claro que fiz tal e qual o meu tio me passou. Utilizei o queijo Terra Nostra [uma Marca de Excelência, distinguida com o selo Superbrands]. Vamos à receita que é o que vos interessa...


Ingredientes:
-pão de forma
-fiambre
-queijo Terra Nostra 
-manteiga sem sal

Coloco uma fatia de pão de forma, uma fatia de queijo, uma fatia de fiambre, outra de queijo e por ultimo outra fatia de pão de forma. Comprimo ligeiramente a "sandes" e barro ligeiramente com manteiga sem sal. Coloco as "sandes" ou croque mousieur, numa frigideira de fundo aderente previamente aquecida. Deixo alourar, e depois viro para fazer o mesmo no outro lado, e os ingredientes (queijo e fiambre) se harmonizarem. Servir de seguida, mais simples e delicioso não há.

Nota: Um croque-monsieur (em francês: croque, "estala nos dentes" e em francês: monsieur, "senhor") é um sanduíche quente feito com pão, fiambre e queijo, grelhado numa frigideira, num forno ou num aparelho feito para isso.

Apareceu pela primeira vez em 1910 no menu de um café parisiense, mas a origem da palavra fica todavia desconhecida. O Marcel Proust a usa em À l'ombre des jeunes filles en fleurs, publicado em 1919.

Fonte:Wikipédia:


Pestana
Bimby
LG
Ambar
Cartuxa
Vista Alegre
Branca de Neve
Continente
LIDL
Sport Zone
O Prego da Peixaria
Bom Petisco
CTT
EDP
Recer
Revigrés
Médis
Remax
BPI
Millennium BCP
Montepio
American Express
Multibanco
Jornal de Noticias
Público
RFM
RTP
TSF
Renascença
OPEL
Mercedes
Sapo
Sport Lisboa e Benfica
Sporting Clube de Portugal

quarta-feira, agosto 24, 2016

DOCE DE MORANGO





Chegaram 4 kg de morangos cá a casa, daqueles que dizem ser biológicos, eu agradeço e finjo que acredito na "biologicidade" deles (não sei se existe a palavra). :) Mas continuando, a primeira caixa ainda se comeu no tempo real, depois comecei a sentir que não conseguíamos consumir os ditos antes de começarem a estragar, resolvi a questão: fazer um doce/compota, cá por casa gostamos muito. Não fui de modas, fui para a cozinha fazer o doce. Adoro o cheirinho que fica na casa quando faço doces, faz-me (re)lembrar o tempo de criança, adorava estar perto da minha saudosa mãe, enquanto ela fazia os doces. Vamos ver como fiz. Simples.


Lavei e retirei os "pirolitos" a 2 kg de morangos. Num tacho grande (convém ser bem grande, se não o doce vem por fora) Coloquei os morangos e 1,100 Kg de açúcar amarelo, 2 paus de canela e 3 estrelas de anis. Levei ao lume até o açúcar derreter, e começar a cozer a fruta, fui mexendo de vez em quando. Ao fim de 30 minutos retirei as estrelas de anis e os paus de canela e com a ajuda da varinha mágica fiz um puré, voltei a colocar as estrelas e paus de canela e levei de novo o tacho ao lume. Deixei ferver o tempo do doce fazer ponto de estrada. Depois de pronto deitei o doce em frascos esterilizados. Uma receita que já se encontrava em rascunho há dois meses.

"Quem trata uma mulher como princesa, demonstra que foi educado por uma rainha..."

(Bárbara Coré)

terça-feira, agosto 23, 2016

BOLACHAS DE FLOCOS DE AVEIA




Bolachas, biscoitos cookies caseiros  há sempre na casa da Isabel. :)))  Sim, não é por ser Verão que ligo menos o forno, cá em casa o meu forno não tem "estações" não lhe dou tempo dessas frescuras. ;) Vamos ver como fiz estes.


Ingredientes:
-2 chávenas cheias de flocos de aveia
-80 g de açúcar amarelo (usem branco se preferirem)
-100 g de manteiga sem sal   amolecida à temperatura ambiente
-1 ovo levemente batido

Amassa-se tudo  e coloca-se bolinhas,  (com a ajuda de uma colher de gelado) separadas em tabuleiro forrado com papel vegetal. Levei o tabuleiro a forno pré-aquecido a 180ºC, o tempo de alourar (no meu forno levou 12 minutos). Deu 12 bolachas.

Notas: Tinha ainda metade de um pacote de pepitas de chocolate congeladas (daquela marca que se vende em qualquer lado). Não gosto, aliás, não gostamos destas pepitas, as que gosto são estas que tenho sempre cá por casa, mas ouve um dia que precisei e não tinha. Comprei as ditas, pois só ouvia falarem maravilhas na blogosfera, sou muito chatinha mesmo, ou eu e filhos temos um palato cada vez mais apurado, mas estas ditas não sabe a chocolate, sabe a tudo excepto chocolate. Salpiquei algumas nestas bolachas com o tal resto do pacote que tinha congelado, para acabar com elas. Daí verem umas bolachas com pepitas e outras não. Acabei e não compro mais.

"A luz viaja mais rápido que o som. Por isso algumas pessoas parecem brilhantes até você ouvi-las falando..."

(Bárbara Coré)

segunda-feira, agosto 22, 2016

SANDUÍCHES DE MOZZARELLA




Uma entrada deliciosa ou uma refeição se for acompanhada de uma sopa. Faz-me (re)lembrar o croque monsieur de origem francesa que o meu tio espanhol fazia em minha casa há mais de 30 anos quando vinha de férias. O meu tio é espanhol era casado com a minha tia (irmã do meu saudoso pai) que também já "partiu" há 10 anos e que viviam em Bruxelas, mas tinham casa em Valladolid uma cidade espanhola que eu adoro. Eu ao longo dos anos que estou na blogosfera, só passo dicas e receitas do meu tio espanhol, ele é que era/é o grande cozinheiro, a minha tia, cozinha, culinária não era com ela. Só gostava de se sentar à mesa e comer bem. :) Também tenho que partilhar o croque monsieur que o meu tio me ensinou com vocês. Simples e maravilhoso. Cá em casa preferimos, a estas sanduíches.


Ingredientes:
-400 g de Mozzarella Maxi Galbani
-6 fatias de pão de forma (usei sem côdea)
-2 ovos
-3 c. de sopa de leite
-azeite para fritar
-flor-de-sal q.b.

Retire a côdea ao pão. Coloque uma fatia de Mozzarella entre duas fatias de pão, aperte os rebordos do pão e coloque num pirex. Repita a operação até que o pão e a Mozzarella terminem.
Bata os ovos com o leite e uma pitada de sal e deite sobre as sanduíches. Vá voltando as sanduíches para que fiquem bem envolvidas no ovo e deixe repousar um pouco.
Frite as sanduíches em azeite bem quente de ambos os lados durante 4-5 minutos, até que fiquem douradas. Retire e coloque sobre papel absorvente. Sirva bem quentes.

"Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade."


(Martha Medeiros)

sexta-feira, agosto 19, 2016

CHEESECAKE DE MASCARPONE E AMÊNDOA NO FORNO





Cheesecake é daquelas sobremesas que se come ajoelhada, :))) então se levar chocolate, ficamos de penitência, mas com o palato aos saltos que nem faz mal a tal "penitência". :) Precisava de fazer uma sobremesa, problema resolvido com um cheesecake brutal, como o meu provador oficial (filho) disse.  Neste momento estamos a preferir os cheesecakes de forno o caso deste aos frescos.Vamos lá ver como fiz.


Base Oreo:
-30 bolachas oreo
-80 g de manteiga derretida sem sal

Para o recheio:
-500 g de Mascarpone Galbani
-200 ml de natas
-3 ovos grandes
-120 g de açúcar
-1 c. de chá de baunilha (usei liquida)
-1 c. de chá de essência de amêndoa



Enrolei muito bem uma forma de fundo falso com várias camadas de papel de alumínio. Untei e forrei com papel-vegetal de novo untado com manteiga Reservei.

No robot de cozinha piquei as bolachas até ficar em migalhas finas. Adicionei a manteiga derretida e envolvi muito bem até ficar uma mistura homogénea e forrei o fundo da forma. Pressionei muito bem com a ajuda de uma colher de sobremesa, até ficar compacto. Levei ao frigorífico. Com a batedeira bati o queijo mascarpone e as natas até ficar com uma textura lisa. Juntei o açúcar, a baunilha e a essência de amêndoa e continuei a bater até ter a mistura bem cremosa. Fui adicionando a bater os ovos um a um, nunca adicionar o ovo seguinte sem o anterior estar bem envolvido. Deitei a mistura na forma previamente preparada com a oreo. Levei a forma ao forno pré-aquecido a 180ºC, em banho-maria (esse o motivo da forma ser bem forrada o exterior com papel de alumínio) durante 1 hora e 15 minutos (pressionar com os dedos e sentir firmeza). Deixar arrefecer antes de desenformar. Desenformei e coloquei no prato. Coloquei à volta amêndoa em palitos (que previamente retirei a pele, palitei e levei ao forno para dar aquela cor). Depois derreti em banho-maria 100 g de chocolate Valrhona com 1 c. de sopa de manteiga, que seria só para colocar por cima das amêndoas, mas no final sobrou chocolate (sim, fui avantajada ou bruta o que preferirem, não precisava de 100 g, 30 g de chocolate era mais que suficiente). Resolvi colocar o resto no meio do Cheesecake, como o meu filho diz: Chocolate nunca é demais. :)))

"Quando dispararem mil flechas na sua direcção, não reaja:
perdoe todas elas amorosamente. A depreciação pelo próximo vem da completa falta de amor por si próprio. Você recebe ofensas daqueles que antes não se amam..."

(Bárbara Coré)

quinta-feira, agosto 18, 2016

PEITO DE FRANGO COM ERVAS DE PROVENCE




Uma receita há um tempinho nos rascunhos, ontem a organizar as receitas, vi que ainda não tinha postado esta receita simples, mas brutal.Uns peitos de frango que ficaram uma delícia. Servi com uma salada. Vamos ver como fiz.


Temperei os peitos de frango com flor-de-sal, ervas de provence, alho em pó, paprika, um pouco de pimenta cayenne e pimenta preta moída na altura. Deixei absorver sabores durante uma hora, tapados com película aderente. Ao fim desse tempo coloquei uma frigideira anti-aderente ao lume e deixei aquecer o suficiente para selar os peitos de frango (3 minutos de cada lado). Depois dos peitos selados coloquei-os num tabuleiro e levei ao forno pré-aquecido a 200ºC, durante 20 minutos (o tempo de cozinhar os peitos (eu para ver se estão cozinhados, espeto uma faca fina, se entrar sem dificuldade e não sair líquido, já está pronto). Servi com tomate cherry, tomate rama e pêra abacate cortada em fatias, reguei com um pouco de vinagre balsâmico, e só.

P.S. Já falei aqui sobre Pêra abacate. ;) Ah, e tenho aqui uma salada com a mesma brutal, há cinco anos, ainda não era moda. :))))

"Eu não acredito em caridade, eu acredito em solidariedade. Caridade é tão vertical: vai de cima pra baixo. Solidariedade é horizontal: respeita a outra pessoa e aprende com o outro. A maioria de nós tem muito o que aprender com as outras pessoas."


(Eduardo Galeano)

quarta-feira, agosto 17, 2016

ARGOLAS FOLHADAS COBERTAS COM GLACÊ




Estas argolas não têm ciência nenhuma, são de uma simplicidade que dói. O sabor? Brutal, derrete-se na boca. Quem me segue sabe que massa folhada fresca só gosto do LIDL [uma Marca de Excelência, distinguida com o selo Superbrands]. Tenho sempre em casa congelada como já disse aqui nas dicas. Estas argolitas, são fantásticas, para se fazer quando se tem alguém de surpresa para lanchar ou para beber um café que acompanhado com estes bolinhos é uma delicia. Vamos ver como fiz.


Ingredientes:
-2 massas folhadas frescas rectangulares (utilizei do LILD)
Glacê: Numa tigela bati muito bem com uma vara de arames, 1 chávena de açúcar em pó, com 3 c. de sopa de leite, até ficar uma mistura brilhante. Reservei.

Abri as massas, coloquei uma sobreposta na outra, e cortei ao comprimento 3 vezes (mais ou menos a mesma medida). Fiz duas fileiras de massa com 3 partes da massa, ou seja cada fileira tinha 3 vezes a massa folhada. Cortei a massa sobreposta em 3, fez duas fileiras. Com o corta bolachas (redondo) cortei rodelas (cada fileira deu 6 argolas, as duas fileiras deu 12). Com um bico pasteleiro a parte redonda, não a do bico, cortei umas rodelas no interior da massa (buraco), pincelei as argolas com água fria. Levei as argolas ao forno pré-aquecido a 200ºC em tabuleiro forrado com papel-vegetal, o tempo de folhar e alourar. Depois coloquei as argolinhas numa rede e reguei com o glacê feito anteriormente.

Notas: a massa (tiras e bolinhas do interior) que sobrou e as argolinhas pincelei com água fria e levei ao forno com as argolas, aqui nada se estraga e tudo se aproveita, no final foram também regadas com o glacê.


Pestana
Bimby
LG
Ambar
Cartuxa
Vista Alegre
Branca de Neve
Continente
LIDL
Sport Zone
O Prego da Peixaria
Bom Petisco
CTT
EDP
Recer
Revigrés
Médis
Remax
BPI
Millennium BCP
Montepio
American Express
Multibanco
Jornal de Noticias
Público
RFM
RTP
TSF
Renascença
OPEL
Mercedes
Sapo
Sport Lisboa e Benfica
Sporting Clube de Portugal


terça-feira, agosto 16, 2016

GELADO DE NATA EM "CAMA" FILO COBERTO COM DOCE DE OVOS :)


Tinha que baptizar com um nome "pomposo" o meu simples gelado de natas, mas brutal. :) A simplicidade no seu "auge". Vamos à receita que é o que vos interessa.


Ingredientes gelado:
-4 ovos
-400 ml de natas
-60 g de açúcar em pó

Separei os ovos e bati as claras em castelo. As natas bati em chantilly. Bati as gemas com o açúcar até formar uma espuma, adicionei as claras e as natas alternadamente à mistura das gemas, só a envolver, nunca bater enquanto adiciona as claras e natas em castelo. Depois da mistura bem envolvida, é deitar na sorveteira a trabalhar. Ao fim de 35 minutos tem um gelado cremoso.

"Cama" de filo: :)
1 folha de massa filo por pessoa. Pincelar a folha com manteiga derretida, depois com a ajuda de umas tigelas que possam ir ao forno forrar exterior as tigelas e levar num tabuleiro ao forno pré-aquecido a 200ºC o tempo de alourar. Deixar arrefecer antes de desenformar, e faze-lo delicadamente. Reservar.

Doce de ovos:
-3 gemas
-125 g de açúcar
-60 ml de água


Coloco um tacho ao lume com a água, açúcar. Deixo fazer ponto de pérola (leve), depois retiro o tacho do lume e deixo arrefecer um pouco. Quando morno juntei as gemas batidas e envolvi muito bem com a vara de arames. Levo de novo ao lume até cozer as gemas e fazer o ponto de estrada.

Montagem do gelado:

Na taça de massa filo coloca uma c. de sopa de doce de ovos, de seguida o gelado e de novo doce de ovos, depois? É deliciarem-se... :))))

"Às vezes é necessário perder o chão para descobrir que é possível VOAR... !!!"

(Bárbara Coré)

segunda-feira, agosto 15, 2016

SARDINHAS PANADAS COM AÇORDA DE TOMATE




Açorda, sardinhas para mim a refeição e ligação perfeita. :)))) A-D-O-R-O



Quem segue o Cozinhar com os Anjos sabe que sou uma mulher de gostos muito simples. Como muito bem diz Oscar Wilde "os meus gostos são simples, gosto o melhor de tudo.." :))) Adoro sardinhas, adoro sardinhas assadas, mas em casa não! Quando me apetece como fora, em casa faço muitas vezes sardinhas, o caso. Fiz umas sardinhas panadas que ficaram uma delicia. Vamos ver como fiz.

Cortei as cabeças aos bichinhos (sardinhas) escamei-as e tirei a guelra, lavei muito bem as ditas e enxuguei-as com papel de cozinha. Temperei-as com alhos picados, louro, sal marinho, pimenta e reguei com sumo de limão. Deixei no tempero uma hora, ao fim desse tempo retirei as sardinhas e limpei-as com papel de cozinha. Passei-as por farinha de milho (fina), de seguida por ovo batido e pão ralado. Fritei-as em azeite. Depois de fritas coloquei-as em papel absorvente. Servi a acompanhar uma açorda de tomate, ou migas como preferirem. Para mim é açorda. :)


Entretanto fiz a minha açorda (migas) de tomate. Num tacho coloquei uma cebola pequena picada e 3 dentes de alho também picados. Reguei com um fio de azeite levei ao lume até a cebola estar translúcida. Nesse momento juntei 2 tomates médios pelados e cortado em cubos, deixei murchar os mesmos sempre em lume baixo. Juntei 2 fatias de pão Alentejano amolecido em água e envolvi muito bem, temperei com sal marinho e juntei um molho de coentros picados, envolvi para harmonizar sabores. Nessa altura desliguei o lume, e juntei um ovo. Foi só envolver o ovo. Servi de seguida com as sardinhas. Foi só deliciar-me.

"Simplicidade"

Gosto das coisas simples da vida...
Do nascer e pôr do sol,
Do canto dos pássaros, ao amanhecer,
Do cheiro da chuva na terra molhada,
Do barulho da chuva no telhado,
De um céu estrelado,
Das fases da lua,
Do barulho das ondas do mar,
De olhar a paisagem, enquanto viajo,
De ouvir histórias contadas pelos mais velhos,
Do olhar e sorriso de uma criança,
De um abraço sincero,
De um olhar que não precisa de palavras...
E creio, que é em cada uma dessas coisas que Deus se revela todos os dias a nós.

(Deka Rissi)