segunda-feira, abril 27, 2015

PARABÉNS FILHA :)


(Aqui eu com 22 anitos e a filha com 26 meses na ponte do jardim da praia do Motel atual Inatel de Oeiras)
 
A minha filha faz hoje 36 anos. O primeiro dia mais feliz da minha vida: fui MÃE! Num sábado na Maternidade da Estefânia nascia a minha princesa, com 3,860 kg e 59 cm. Sim, era muito comprida, uma parte do enxoval (babygrows) não chegou a vestir, não serviam no comprimento, ficavam curtos.. Só perto dos 3 meses, é que começou a ficar com rosquinhas, era uma criança de muito alimento, mas como era muito comprido levou tempo a ver-se as rosquinhas, pois aumentava bem de peso. Tinha eu 20 anos e uma ansia de ser mãe. :) Agora recordando o dia 28 de Abril de 1979, só me apetece dizer: obrigada minha filha, por me escolheres para tua mãe, obrigada minha filha por me deixares ser tua mãe, obrigada minha filha por teres e seres a filha que és, como já disse aqui, sou mesmo uma milionária pelos filhos que tenho. :) Filha, desejo que realizes os teus sonhos e sejas muito feliz! Minha filha, amo-te até mais além e para todo o sempre!


(A minha filha com 6 meses a cor de olhos foi buscar da minha mãe, já que nenhum filho conseguiu)


(Aqui a filha tinha 18 meses)

P.S. Autorização de colocar fotos atuais dos filhos não tenho, e o que respeito. Mas, os meus filhos continuam lindos. :)

BOLINHOS DE CHILA




Doce de chila/gila nunca falta na minha casa, quando acaba, é fazer de novo. Quando andava nas minhas pesquisas no livro Cozinha de Portugal fiquei curiosa com estes bolinhos. Já tinha feito estes, as quantidades são as mesmas, só a maneira de executar é que difere, além que aqui nesta receita a chila/gila é escorrida do doce e a anterior é só com a mesma cozida. Vamos à receita:



Ingredientes:
-300 g de doce de chila/Gila
-2 ovos
-farinha para tender
-açúcar baunilhado (usei o meu caseiro)
-canela
-óleo para fritar

 Com o doce de chila seco (sem molho), com as mãos passadas por farinha, formam-se bolos do tamanho de uma noz (os meus ficaram ligeiramente maiores). Passam-se pelos ovos batidos, fritam-se em óleo e colocam-se sobre papel absorvente. Enquanto quentes passam-se por açúcar baunilhado e canela.

"Responder à ofensa com ofensa é como lavar a alma com lama! O silêncio é um dos argumentos mais difíceis de se rebater."
 
(Dalai Lama)

quinta-feira, abril 23, 2015

BOLO DE AMÊNDOA [ANIVERSÁRIO DO FILHO]


 
 
Este ano eu e o filho escolhemos que o bolo não fosse de chocolate. Com muita pena do filho, que adora tal iguaria. A M. vinha jantar e não gosta de chocolate a primeira pessoa que conheço que não gosta. :) Então resolvi fazer um bolo de amêndoa e claro, com doce de ovos mas feito com a polpa de maracujá. Vamos ver como fiz! Ah, e comentário do meu provador oficial (filho): brutal!


Ingredientes: bolo de amêndoa.
-250 g de açúcar
-150 g de miolo de amêndoa
-4 ovos grandes
-50 g de pão ralado
-40 g de farinha
-1 c. de chá de fermento em pó
-60 g de manteiga sem sal

Misturei as gemas com o açúcar, a manteiga derretida e a amêndoa com pele moída, bati bem. Depois juntei o pão ralado, a farinha com o fermento e por fim as claras em castelo só a envolver. Levei o preparado ao forno a 180ºC. pré-aquecido numa forma untada e polvilhada de pão ralado. Já sabem, o teste do palito!

P.S. Aqui a receita é para um bolo, fiz dois bolos ok?


Doce de ovos com maracujá:
-6 gemas
-100 g de açúcar
-50 ml de água
-100 ml de polpa de maracujá

Primeiro coei uma lata de polpa de maracujá. As sementes reservei! Coloquei um tacho ao lume com a água, açúcar e a polpa de maracujá. Deixo fazer o ponto de pérola (leve), depois retiro o tacho do lume e deixo arrefecer um pouco. Quando morno juntei as gemas batidas e envolvi muito bem com a vara de arames, levo de novo ao lume até cozer as gemas e fazer o ponto de estrada.


Merengue:
-6 claras
-180 g de açúcar

Cortei dois círculos de papel vegetal com o diâmetro do bolo. Liguei o forno a 130ºC.
Bati as claras na tigela até ficarem em espuma. Sem parar de bater fui juntando o açúcar até o merengue estar firme e formar picos. Dividi o merengue sobre os círculos de papel vegetal e levei ao forno previamente aquecido durante 1 hora e 45 minutos. O tempo do suspiro estar seco. Deixei arrefecer dentro do forno.


Chantilly:
-400 ml de natas para bater
-2 folhas de gelatina

Demolhei as folhas de gelatina em água fria e deixei amolecer. Bati as natas até espessarem. Escorri a  água da gelatina, derreti no micro-ondas e juntei em fio e a pouco e pouco até estar bem incorporado nas natas. Não, não esqueci o açúcar, não usei, pois o chantilly era para colocar por cima do merengue.



Agora  a montagem: Num prato coloquei um bolo de amêndoa cobri com metade do doce de ovos de maracujá, espalhei as sementes de maracujá reservadas. Parti um disco do merengue e polvilhei por cima do bolo. Coloquei o outro bolo por cima e cobri com o resto do doce de ovos com maracujá. Coloquei o disco de merengue e cobri com o chantilly, enfeitei com uns morangos e framboesas.

Notas: A polpa de maracujá gosto da marca Koala, pois tem imensas sementes, e nos gelados a filha adora sentir o crocante das mesmas.

"O tempo é muito lento para os que esperam
Muito rápido para os que têm medo
Muito longo para os que lamentam
Muito curto para os que festejam
Mas, para os que amam, o tempo é eterno."
 
(Henry Van Dyke)

quarta-feira, abril 22, 2015

PARABÉNS FILHO :)


O meu filho com 4 meses :)
 
Aqui ao colo da irmã com 15 meses :)
 
Faz hoje 31 anos que nasceu o meu filho. O segundo dia mais feliz da minha vida! Nasceu na Maternidade D. Estefânia, num Domingo de Páscoa com 4 kg e 52 cm. :) Uma bolinha de amor. Nesse dia na Maternidade parecia uma procissão ao quarto onde estávamos. Naquele piso o bebé maior que se encontrava lá tinha 3,100 kg, então as visitas dos outros bebés tinham que vir ver o meu. Foi cansativo, pois sendo um feriado as visitas eram mais que muitas... Não queria ser malcriada, mas estava cansada de tanto destapa. Resolvi o problema, ao fim de pouco tempo, quando abria as "cancelas" (hora de visita) agarrava no meu tesouro e pirava-me do quarto, ia passear até ao berçário, sempre a espreitar para chamar as minhas visitas. :) Enrascada nunca foi o meu forte. Segunda-feira à hora de almoço peço alta ao médico, e assim fui para minha casa com os meus filhos, sozinha, os meus saudosos pais queriam que fosse para casa deles uns dias, como fiz com a minha filha, mas no filho, sendo o segundo, estava mais à vontade, não quis, precisava de estar com os meus filhos (crias) sozinha, para os cheirar, beijar e amar com toda a tranquilidade, sem palpites de ninguém. O meu filho, sempre foi um bebé muito tranquilo, comia e dormia. Agora com 31 anos, relembro o dia do seu nascimento, e só me apetece agradecer, obrigada meu filho, por me escolheres, obrigada meu filho, por me dares o privilégio de ser tua mãe, obrigada meu filho, por teres e seres o filho que és. Sou milionária, pelos lindos filhos que tenho. Filho, o meu desejo é que sejas muito feliz, que consigas alcançar todos os teus sonhos. Filho, amo-te até ao Infinito sempre e para todo o sempre.
 
P.S. Não coloco fotos dos meus filhos atuais, pois autorização não tenho. :) Mas continuam lindos.

terça-feira, abril 21, 2015

MIMOSOS DE MELGAÇO


  
 
Uns bolos que são uma delicia. A receita saltou do meu livro "Cozinha de Portugal Entre Douro e Minho" de Maria Odette Cortes Valente.


Ingredientes:
-250 g de açúcar
-100 g de manteiga (usei sem sal)
-4 ovos
-300 g de farinha
-1 c. de chá de fermento em pó
-2 dl de leite
-açúcar e canela para envolver q.b.


Bati os ovos com o açúcar. Juntei a manteiga derretida, adicionei o leite e por fim a farinha com o fermento, batendo muito bem, até ficar uma massa fofa. Deitei a mistura em formas untadas e polvilhadas de farinha. Levei ao forno previamente aquecido a 180ºC, a cozer. O teste do palito, mas é rápido. Não se devem encher muito as formas, porque crescem. Depois de cozidos, desenformei, e passei os mimosos por açúcar e canela e coloquei em forminhas de papel frisado.

"O mundo é um livro, e quem fica sentado em casa lê somente uma página."

(Santo Agostinho)

segunda-feira, abril 20, 2015

FOLHADOS COM DOCE DE OVOS E GILA

 
 
Apeteceu-me fazer uns folhados doces. Resolvi o problema: fiz. :) Fiz um doce de ovos onde juntei o meu doce de chila/gila. Vamos ver como fiz. A simplicidade no seu melhor.



Ingredientes:
-doce de ovos
-2 rolos de massa folhada do LIDL (a única que gosto, usem ao vosso gosto, tem que ser é retangular)
-doce de gila/chila (à volta de 300 g)
-canela


Doce de ovos:
-6 gemas
-250 g de açúcar
-100 ml de água
-1 vagem de baunilha
Coloco um tacho ao lume com a água, açúcar e a vagem de baunilha. Deixo fazer o ponto de pérola (leve), depois retiro o tacho do lume e deixo arrefecer um pouco. Quando morno retiro a vagem e juntei as gemas batidas e envolvi muito bem com a vara de arames, levo de novo ao lume até cozer as gemas e fazer o ponto de estrada.

No tacho onde fiz o doce de ovos, juntei o doce de gila, separei bem os fios e levei ao lume só para envolver bem. Deixei arrefecer. Abri os rolos de massa folhada e cortei cada em 6 partes iguais. No meio coloquei o recheio e polvilhei com canela enrolei um lado e pincelei a ponta com água fria, colei a outra ponta. (A água é só para ajudar a colar a massa para não abrir enquanto está no forno a folhar). Coloquei os folhados num tabuleiro forrado com papel-vegetal e pincelei os travesseiros com água fria. Levei o tabuleiro ao forno pré-aquecido a 200ºC o tempo de aloirar e folhar. Depois polvilhei com açúcar em pó.


"Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade."

(Martha Medeiros)

sexta-feira, abril 17, 2015

PUDIM REAL



Outra das sobremesas que foram convidadas para a nossa mesa de Páscoa! Pudim Real, a receita saltou do meu livro "Cozinha de Portugal" Entre Douro e Minho de Maria Odette Cortes Valente. Vamos à receita.


Ingredientes:
-550 g de açúcar (usei 400 g)
-1 cálice de vinho do Porto
-15 gemas
-1 c. de chá de manteiga

Num tacho, levei ao lume o açúcar coberto com água até fazer ponto de pérola. Retirei do lume e juntei a manteiga e deixei amornar. Depois juntei as gemas mexidas com o vinho do Porto. Deitei a mistura numa forma barrada com caramelo com 150 g de açúcar que se retira das 550 g (no meu caso retirei das 400 g). Cozeu em banho-maria no forno, só se desenforma depois de frio. Desenformei no dia seguinte.


"Procure descobrir o seu caminho na vida.
Ninguém é responsável por nosso destino, a não ser nós mesmos."
 
(Chico Xavier)

quinta-feira, abril 16, 2015

COSTELETAS




Umas costeletas que ficaram deliciosas, e o acompanhamento igualmente.



Cozi umas folhas de couve galega biológicas que chegaram da quinta do L. e umas batatas com água e sal marinho. Escorri e reservei. Numa frigideira coloquei 3 dentes de alho picados e azeite. Deixei "estalar" os alhos e juntei as batatas cortadas em cubos e as folhas da couve, temperei com pimenta-preta moída na altura e retifiquei o sal. Salteei até as batatas estarem louras. Reservei.

Barrei as costeletas com uns dentes de alho pisados, com sal marinho e pimenta-preta moída na hora. Numa chapa grelhei as costeletas (sem deixar passar do ponto, só mesmo selar os sucos). Coloquei uma colher de sopa de Vaqueiro sabor a manteiga numa frigideira, juntei uma cebola nova média picada, 2 dentes de alho, uma folha de louro, e juntei 2 tomates maduros pelados e picados grosseiramente. Deixei cozinhar em lume brando, juntei as costeletas e deixei harmonizar sabores. Servi acompanhar as couves e batatas salteadas e reservadas.

Notas: O sal e pimenta para mim, mais que suficiente o do tempero das costeletas, mas se quiserem retificar o mesmo no fim, já sabem o vosso gosto é que prevalece e não o meu ok?


"Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido."
 
(Fernando Pessoa)

quarta-feira, abril 15, 2015

PAVLOVA DE CHOCOLATE COM CARAMELO


Uma sobremesa que já fiz há mais de 3 meses. Tenho sempre claras congeladas, as que sobram das sobremesas. Resolvi fazer uma pavlova, o filho vinha almoçar, e como adora, fiz-lhe a vontade. Comentário do meu provador oficial (filho): brutal.


Ingredientes do merengue:
-3 claras
-170 g de açúcar
-1 colher de (chá) de vinagre
-1 colher de (chá) de Maizena
-1 c. de sobremesa de cacau
Bati as claras em castelo, quando batidas juntei metade do açúcar e voltei a bater até fazer picos. Juntei o resto do açúcar, farinha, cacau e o vinagre e envolvi muito bem com a vara de arames sem bater. Forrei um tabuleiro com papel-vegetal, e deitei o merengue no meio. Com uma colher de (sopa) fui espalhando até fazer um circulo. Levei ao forno pré-aquecido a 150ºC, durante 1 hora. Ao fim desse tempo desliguei o forno e deixei o merengue arrefecer dentro do (forno).



Caramelo:
-1 1/2 chávena de açúcar
-1 chávena de água
-3 c. de sopa de manteiga sem sal
-200 ml de natas
-1 c. de sobremesa de chocolate em pó
-1 pacote de natas de 200ml para bater em chantilly

Levei ao lume num tacho o açúcar com a água. Deixei ferver até atingir o ponto de caramelo. Quando atingiu o ponto retirei o tacho do lume e deixei amornar um pouco. Juntei a manteiga, natas e o chocolate, envolvi muito bem e levei ao lume sempre a mexer até ficar tudo bem ligado. Deixei ferver sempre a mexer até obter o ponto de fio forte.

Montagem da Pavlova: Coloquei a mesma num prato, deitei um pouco do caramelo no meio. Coloquei as natas batidas em chantilly e deixei escorrer o resto do caramelo por cima. Coloquei uns morangos no meio. Servir bem frio.

P.S. Mais Pavlovas aqui!

"Quando você acha que sabe todas as perguntas, vem a vida e muda todas as respostas."
 
(Bob Marley)

terça-feira, abril 14, 2015

LULAS RECHEADAS À POVEIRO COM ARROZ DE ESPIGOS



Esta receita saltou do meu livro Cozinha de Portugal "Entre Douro e Minho" de Maria Odette Valente.


Ingredientes:
-12 lulas pequenas (usei 800 g congeladas)
-4 ovos (usei 2)
-1 c. de sopa de vinagre
-1 ramo de salsa (usei coentros)
-1 cebola
-1 dl de azeite
-farinha(usei farinha de milho)
-sal e pimenta
-azeite para fritar

Arranjam-se as lulas e cozem-se em água temperada com sal e vinagre. Depois de cozidas tiram-se-lhes os olhos, as cabeças e os tentáculos. Cortam-se estes em bocadinhos. Colocam-se os tentáculos e as cabeças já cortadas numa tigela, misturam-se com 3 ovos (usei 1) e a salsa picada (coentros) e envolve-se muito bem. Com a cebola picada e o azeite faz-se um refogado a ficar louro (nunca deixo ficar louro, deixo só o tempo de murchar a cebola) temperei com sal marinho e pimenta-preta e misturei os tentáculos das lulas batidos com os ovos (ovo). Envolvi muito bem até estar o ovo cozinhado. Recheei as lulas com a mistura e fechei com um palito. Passei as mesmas por farinha de milho e depois por ovo batido e fritei em azeite. Servi acompanhar um arroz de espigos de couve biológicos que chegaram da quinta do L. Vamos ver como fiz.



Num tacho coloquei uma cebola picada e reguei com azeite. Levei ao lume até a cebola murchar. Juntei 1 colher de sopa de polpa de tomate envolvi e juntei a água (o dobro do arroz) temperei com sal marinho e juntei os espigos. Quando começou a ferver juntei o arroz envolvi e deixei cozinhar. Quando o arroz está "quase" apago o lume e tapo o tacho, para o arroz acabar de cozer e não ficar espapaçado.

"O rio atinge seus objetivos porque aprendeu a contornar obstáculos."

(Lao-Tsé)

segunda-feira, abril 13, 2015

BOLO DE AMÊNDOA



Um bolo, que pela sua textura, só pode ser um bolo conventual. O que eu adoro.


 Venho eu com um bolo conventual, agora que o pessoal anda todo numa de "sem açúcares" é sementes de tudo e mais alguma coisa, é comidas light é bolos light, é tudo light, que a mim o que mais me parece é que as cabeças do pessoal já estão light, de tanta burrice. Como muito bem sabemos há muito pessoal de carneiradas! Não sou diferente do resto do pessoal, mas detesto mesmo as ditas carneiradas. Sempre fui de ir pelo meu bom ou mau senso, nem sei! Há dias encontrei alpista no Celeiro, na prateleira onde estão os pacotes de sementes, eu sei que é uma semente, mas toda a vida comprei alpista para os meus canários, não me vejo a partilhar a sua comida/alpista com eles. :) Penso que devemos comer de tudo um pouco, ou seja tudo o que passa o Q.B. é que faz mal. Detesto ações extremas.

Desde que me conheço, sempre bebi leite, sou do tempo que ia com a minha saudosa mãe, às vaquinhas/vacas buscar o leite. Apesar de viver na cidade, a Amadora eram só quintas, ainda  não tinha sido promovida a Cidade, o que foi num ano muito importante para mim, 1979 o ano do nascimento da minha filha. Adorava o cheiro do leite, adorava quando a minha mãe fervia o leite e ficava aquela nata por cima, eu e o meu irmão adorávamos comer a mesma à colherada, já a minha irmã não. Ensinei os meus filhos a gostarem de leite, sempre com a mesma conversa que fazia bem, que era preciso beber leite etc. Para quê? Para chegar aos 56 anos, ler e ouvir que o leite faz mal? Estupidez total. Já está mais que provado, que o que faz bem hoje, faz mal amanhã e o inverso igualmente. Agora deixar de beber leite, não deixo, mesmo sabendo que o leite que bebo hoje não tem nada a ver com o que bebia em criança. Se faz mal? Já fez em 56 anos, que se lixe a informação. Agora devem pensar: tanta conversa, para passar uma receita tão simples, mas, podem crer que é grandiosa em sabor. Vamos lá à receita que saiu do meu livro de Cozinha de Portugal Trás-os-Montes de Maria Odette Cortes Valente.
 


Ingredientes:
-400 g de açúcar (usei 300g de açúcar amarelo escuro)
-9 ovos
-250 g de miolo de amêndoa
-100 g de doce de chila (usei 200g do meu doce)
 


Bati os ovos inteiros com o açúcar, juntei a amêndoa moída com pele e o doce de chila envolvi muito bem. Deitei a mistura numa forma de bolo Inglês untada e forrada com papel vegetal também untado. Levei a cozer a forno pré-aquecido a 180ºC.
 
Notas: usei a forma de bolo Inglês, mas arrependi-me. Penso que com uma forma redonda coze muito mais rápido. O bolo ficou com 3 camadas, uma pudim, outra com a amêndoa e a chila(fiapos) e uma crosta na superfície de brandar aos céus...

"Não coloque um ponto final nas suas esperanças. Ainda há muito o que fazer, ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida.
Ao invés de ficar parado no que você fez de errado, olhe para frente, e veja o que ainda pode ser feito...
A vida ainda não terminou. E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem..."
Vai em frente. Sorriso no rosto e firmeza nas decisões."


(Padre Fábio de Melo)
 

sexta-feira, abril 10, 2015

FOLAR DE CANELA



Resolvi fazer este folar só de canela. Tinha no almoço de Páscoa a M. que adora canela, lembrei-me de rechear só mesmo com esse sabor, sem frutos secos ou cristalizados.


Ingredientes massa:
-600 gr. de farinha
-175 gr.de Vaqueiro sabor a manteiga (derretida)
-3 ovos
-1,5 decilitros de leite morno
-1 saqueta de fermento Fermipan
-sal q.b.

Recheio:
-50 g de Vaqueiro sabor a manteiga (derretida)
-80 g de açúcar mascavado
-3 c. de sopa de canela



Numa tigela coloquei a farinha, uma pitada de sal e o fermento. Juntei o leite morno e envolvi. Juntei a margarina líquida Vaqueiro e os ovos, voltei a envolver até a massa ficar homogénea. A massa fica um pouco pastosa mas é mesmo assim. Tapei a tigela e deixei a massa descansar até duplicar de volume. O que levou 1,30 h. Ao fim desse tempo coloquei a massa na superfície enfarinhada e estiquei com o rolo até fazer um retângulo. Pincelei a massa com a Vaqueiro sabor a manteiga, espalhei o açúcar mascavado e polvilhei com a canela toda a superfície. Enrolei a massa como se enrola uma torta e depois cortei fatias (até preencher a forma) previamente untada e polvilhada com farinha.  Levei ao forno pré-aquecido a 200º C. No meu forno levou 45 minutos até estar num tom loirinho.

"Imagine uma nova história para sua vida e acredite nela."
 
(Paulo Coelho)